O principal hub de fintechs da América Latina quer investir até US$ 1 milhão por startup

House of Fintech se denomina um hub global de Fintechs que tem como objetivo fomentar negócios no segmento em que atua. Além de investir fortemente em capacitação focada nas necessidades de Fintechs e firmar importantes acordos com parceiros exclusivos do segmento. 

 

Uma série de executivos de setores que incluem automotivo, varejo e bancário se reuniram para formar uma aceleradora de empresas de tecnologia financeira que tem como objetivo investir entre 300 mil e 1 milhão de dólares em startups brasileiras a partir de agosto.

A aceleradora House of Fintech (HoF), instalada na cidade de São Paulo, conta com a participação de 20 investidores que incluem executivos de empresas como Via Varejo e Banco GM.

“Vamos colocar em um único espaço empresas que atuem com serviços financeiros complementares e que tenham o mesmo objetivo e propósito ampliar o acesso aos serviços financeiros”, disse o presidente-executivo da HoF, Rodrigo Mendes, em comunicado.

O executivo afirmou que “muitas fintechs não sobrevivem por falta de fluxo de caixa e, por isso, nosso foco é a geração de negócios que possibilitem à startup crescer e atingir o equilíbrio financeiro”.

A aceleradora investirá em tecnologias como aprendizado de máquinas, processamento de grandes volumes de dados, blockchain e segurança digital, que são estratégicas para o setor financeiro.

Segundo levantamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (Bid) e da aceleradora de empresas de tecnologia Finnovista divulgado em maio, o Brasil tem 230 de 703 fintechs da América Latina que operam em vários segmentos do mercado financeiro que vão desde bancos digitais até empresas de soluções de pagamentos, educação financeira e gestão de finanças pessoais e empresariais.

O setor tem passado por rápida expansão, ampliando crédito para micro e pequenas empresas, segmentos que têm enfrentado o escassez dos empréstimos pelos grandes bancos comerciais, que estão mais interessados em priorizar operações menos arriscadas.

10.07.2017|Por Reuters

Revista  Pequenas Empresas Grandes Negócios

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.